Biopsia no Câncer de Pele

É um procedimento relativamente simples que consiste em retirar parte ou todo tumor através de cirurgia. Isso depende do estágio do câncer e onde se localizam as células cancerosas. A biopsia consiste na análise microscópica das células retiradas. O objetivo é descobrir qual tipo de câncer e qual a gravidade dele ou se é maligno ou benigno.

Cirurgia para Câncer de Pele

Quando o câncer está em estágio inicial, o único tratamento é a cirurgia, mas quando constata-se metástase, é preciso recorrer a radioterapia e/ou a quimioterapia. A cirurgia consiste na retirada do conjunto de células cancerosas que formam o tumor na superfície da pele.

A complexidade do procedimento cirúrgico depende do tipo de tumor, do seu tamanho, da profundidade (quantas camadas atinge) e do local onde está o câncer. Se o tumor estiver em locais sensíveis, há necessidade de cuidados especiais, a cirurgia torna-se mais delicada. Mas, quando o local não representa risco, apenas retira-se a neoplasia e sutura-se.

Já quando o tumor atinge camadas mais profundas, além da remoção, é necessário um outro procedimento: o enxerto, que consiste em um preenchimento de tegumento cutâneo, retirado de outra parte do corpo para ser transplantada na região de onde se arrancou o tumor.

Tratamento a laser para Câncer de Pele

Mais conhecido como fototerapia, consiste em um tratamento que combina remédios e sessões de exposição do tumor à luz de laser. As drogas servem para sensibilizar as células à luz. Pelo fato das células cancerosas terem o metabolismo mais acelerado, elas são bem mais sensibilizadas do que as normais. Ao serem expostas à ação do laser, absorvem a luz e vão sendo destruídas.

O tratamento não atinge de forma negativa as porções saudáveis da pele. O que se pode sentir quando terminam as sessões é queimação e ardência no local, que vai melhorando, conforme a pele cicatriza. As recomendações médicas, nesse caso, abrangem os cuidados com os raios solares, que basicamente são: evitar sair durante o dia e, quando sair, se proteger ao máximo do sol.

Quimioterapia

Quimioterapia CâncerTrata-se de um método de tratamento de câncer que utiliza compostos químicos (quimioterápicos) para combater as células cancerosas que formam os tecidos neoplásicos. Os remédios usados atingem tanto as células normais, quanto as que formam os tumores, mas as últimas se destroem mais rapidamente por causa da rapidez metabólica com que trabalham.

A quimioterapia tem que obedecer a um ciclo periódico, para que o corpo se recupere dos efeitos dos remédios. As estruturas mais visivelmente atingidas são: a medula óssea, a mucosa e os pelos, que caem devido ao tratamento.

Além disso, a toxicidade dos remédios podem causar diversos efeitos colaterais como náuseas, fadiga e mal estar, além das consequências a longo prazo como infertilidade, problemas cardíacos e hepáticos. Apesar de tudo, é um dos tratamentos mais eficazes para o câncer, inclusive o de pele, e tem grandes chances de levar à cura.

Radioterapia

É, basicamente, um método de tratamento de câncer que utiliza radiação ionizante para destruir ou reduzir as células tumorais. A radiação possui energia e quando interage com os tecidos, dão origem a elétrons capazes de romper as cadeias de DNA celulares, causando sua morte.

O sucesso desse tratamento depende da localização do tumor, de sua sensibilidade à radiação e da oxigenação dele. Por isso, muitas vezes, esse tratamento é combinado com a quimioterapia, o que aumenta consideravelmente as chances de cura e pode ser feito também antes ou depois de procedimentos cirúrgicos de retirada do tumor.

O tratamento deve ter os princípios de dose bem respeitados, mas mesmo assim, ainda existem os efeitos colaterais, pois os tecidos com maior capacidade proliferativa são atingidos, como a epiderme, as mucosas e a medula óssea. Muitas vezes, a quimioterapia combinada pode agravar esses efeitos; no entanto, potencializa as possibilidades positivas do tratamento.