Acne

Autoexame PeleÉ uma doença de predisposição genética que depende dos hormônios para se manifestar e pode aparecer em ambos os sexos. Aparece principalmente na puberdade, quando o corpo produz maior quantidade de hormônios sexuais, que contribuem para o aumento de secreção sebácea na pele, o que gera os cravos e espinhas.

A oleosidade excessiva na pele fecha os poros, provocando o surgimento dos cravos e, neles acumulam-se microorganismos que, aos poucos, provocam as inflamações, as quais chamamos de espinhas. Elas podem aparecer no rosto, costas e colo, locais onde a pele se mostra mais oleosa.

Há variação de intensidade da doença, que é dividida em graus, vai do um ao quatro e quanto maior o número, mais grave a manifestação clínica da acne e mais difícil de ser tratada.

  • Grau I: a pele se apresenta cheia de cravos, brancos e pretos, mas não há inflamações (espinhas). Os médicos chamam de comedões as pequenas protuberâncias de sebo que se acumulam na pele. Para tratar, geralmente, recomenda-se lavar a pele para diminuir a oleosidade e os cravos que se acumulam;
  • Grau II: além dos cravos, originam-se também pequenas pústulas (lesões inflamadas com pus). Para tratar, exige-se mais do que limpeza: é preciso usar também cremes para as diminuir as lesões e as inflamações;
  • Grau III: existem cravos, pequenas lesões e cistos (espinhas maiores e mais profundas) que costumam ser avermelhadas e doloridas. Nesse caso, o tratamento com aplicação de cremes pode ser insuficiente e é preciso usar remédios via oral (anti-inflamatórios) e ácido para tratar as cicatrizes e manchas;
  • Grau IV: aparecem grandes lesões císticas, muito avermelhadas e podem provocar dor e muito incômodo. São mais difíceis de serem tratadas, é preciso usar um remédio mais forte, rico em vitamina A, para diminuir a oleosidade da pele e as inflamações, mas, apenas sob os cuidados médicos.

Micose na Pele

A micose é um tipo de infecção causada por fungos, que se “alimentam” de queratina, substância facilmente encontrada na pele, nas unhas e nos cabelos. Por isso, são os locais com maior incidência de casos. Além disso da queratina, a micose procura condições que favoreçam o seu crescimento, como: umidade, baixa imunidade e calor. Quando encontram o “lugar ideal”, se reproduzem e causam a doença.

As manifestações na pele variam muito de acordo com o local afetado e com o tipo de fungo. Mas os principais sintomas de micoses que aparecem no rosto são: lesões arredondadas, coceira, descamação, maceração (pele esbranquiçada e mole), entre outros.

Para evitar o surgimento de micoses é importante não deixar nenhuma parte do corpo úmida, principalmente as axilas, virilhas e dedos do pé, evitar ficar com roupas molhadas, trocar sempre a meia, evitar o contato prolongado com água e sabão, não compartilhar objetos pessoais, evitar usar calçados fechados durante muito tempo, assim como roupas muito justas e quentes.

Eczema

O eczema é uma doença caracterizada por pequenas rachaduras e descamações com crostas na superfície da pele. É mais comum de aparecer na face, couro cabeludo, pescoço, dobras dos cotovelos, pulsos e joelhos e o principal sintoma é a ardência na área afetada e o ressecamento da pele. É uma doença crônica, que possui uma associação comum com doenças respiratórias como a asma e atinge crianças e adultos. Porém, é mais intensa na infância e, geralmente, melhora gradativamente.

Existem alguns fatores que podem agravar ainda mais a doença: exposição a condições climáticas extremas, roupa de lã ou sintética, estresse, alimentos com ovo e leite, frutos do mar, suor, contato com cosméticos, tintas, produtos de limpeza, medicamentos, entre outros.

Dermatites

Micose Pele

Dermatite atópica: é uma doença herdada geneticamente, adquirida por asmáticos ou por quem possui rinite alérgica. Consiste em uma doença de inflamação da cútis que causa muita coceira e lesões. Aparece nas regiões de dobra, como a parte posterior dos joelhos, no pescoço, nos braço e nas mãos. A epiderme costuma ressecar muito, causando descamação, coceira e ferimentos, além do engrossamento da camada superior da pele e seu escurecimento. A doença é crônica, não tem um tratamento definitivo, mas pode-se tratá-la para amenizar seus efeitos. A hidratação é essencial: tomar banho de água fria pode ajudar a melhorar a ardência e a escolha de sabonetes especiais também é importante. Produtos com corticosteroides combatem as inflamações e aliviam as coceiras, nos casos mais graves.

Dermatite de contato: é uma reação da pele ao contato com substâncias que provocam alergia. As características são: coceira, manchas vermelhas e/ou inchadas e feridas inflamadas. O tratamento é feito por medicamentos orais e pomadas que tem por intuito desinflamar e cessar as coceiras, que incomodam profundamente. É muito importante descobrir o que desencadeia a reação alérgica e não ter mais contato com esse causador para obter sucesso no tratamento.

Escabiose

Doença causada por um ácaro parasita, cuja fêmea escava pequenos túneis no interior da pele para depositar seus ovos, que darão origem a novos parasitas em cerca de uma semana após o depósito. A principal consequência dessa doença são as coceiras intensas e as pequenas manchas vermelhas que surgem na pele.

Esse parasita costuma se alojar nas partes da pele onde há presença de sulcos e pregas, como nas axilas, cotovelos, abdome, punhos e nos dedos. A doença é contagiosa, pode ser passada pelo contato direto entre as pessoas, ou pelo uso de roupas contaminadas.

O tratamento para escabiose pode ser feito através de aplicação de remédio diretamente sobre as lesões ou por medicamentos via oral ou ainda uma combinação entre os dois tipos. As pomadas para serem aplicadas na pele com o intuito de diminuir as coceiras, são uma medida de alívio para quem passa pelo tratamento da doença.

Cuidados extras:

  • As roupas desse paciente devem ser lavadas diariamente, assim como seus lençóis e toalhas;
  • Não pode ter compartilhamento de roupas durante o tratamento, tudo que for usado pelo doente deve ser separado.

Câncer de pele

Entre todos os tipos de câncer, o câncer de pele é o mais comum e atinge, em maior quantidade, pessoas com mais de quarenta anos e de pele branca. Os primeiros sintomas são feridas que aparecem na pele ou pintas e marcas de nascença que já existiam, mas que ficam maiores e as vezes mudam de cor. Por isso é importante fazer consultas regulares ao dermatologista, pois ele é capaz de avaliar quando alguma mancha ou pinta se torna uma ameaça. Normalmente, as feridas que aparecem são de cor avermelhadas, têm um formato de nódulo e crescem progressivamente, além disso, podem coçar, doer e sangrar.

O tumor é composto por células da pele que em algum momento sofreram algum tipo de mutação e se multiplicaram, formando um novo tecido, conhecido como neoplasia.

A principal causa do câncer de pele é o excesso de exposição ao sol sem proteção. Mas existem outros fatores que também podem influenciar, como: predisposição genética, histórico familiar, pele, olhos e cabelos claros, baixa imunidade, tabagismo e exposição a determinado produtos químicos. Além disso, pessoas albinas estão mais vulneráveis a ter câncer de pele.

Existem três tipos de câncer de pele: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e melanoma maligno.

Carcinoma basocelular

É o tipo mais comum, menos grave e não metástico, ou seja, não se espalha. Normalmente, aparece como uma mancha na pele e são grandes as chances de cura se diagnosticado precocemente. Porém, se houver demora pode atingir a cartilagem e os ossos. Quando aparece em regiões mais sensíveis como nas pálpebras, nariz e orelhas, pode ser mais complicado de tratar e de proceder cirurgicamente.

Carcinoma espinocelular

O carcinoma espinocelular aparece como um nódulo e é mais perigoso que o carcinoma basocelular, pois é metástico. Os principais sintomas desse tipo são: placas endurecidas que sangram facilmente, descamam e não cicatrizam e, geralmente, se desenvolvem sobre manchas e cicatrizes que já existem.

Melanoma maligno

O próprio nome já demonstra que é o tipo mais grave, porém, é o mais raro. Ele é perigoso, pois possui um alto potencial de metástase: espalha-se rapidamente pelo corpo e atinge outros órgãos. O melanoma maligno é formado por causa das irregularidades na produção de melanócitos e aparece como uma mancha na pele escura e irregular.

A melhor forma de se prevenir do câncer de pele é se protegendo dos raios ultravioletas desde cedo, pois, normalmente, os efeitos aparecem só depois de anos. E para diagnosticar o problema precocemente é importante fazer o autoexame, observando todos os sinais da pele e manter visitas regulares ao dermatologista.